CRÍTICA: LINK PERDIDO

4.5
(4)

Apostando em uma história simples de compreender com personagens divertidos, os Estúdios Laika mais uma vez apresentam um filme de stop motion que irá agradar ao público infanto juvenil sem esforço. Link Perdido é um trabalho belíssimo de fotografia aliado a uma direção firme que conta as aventuras de Lionel Frost, um dedicado explorador inglês em busca de fama que é visto como uma grande piada no célebre clube dos aventureiros, porém sua sorte muda quando uma carta o leva até uma descoberta inacreditável: Link, o lendário pé grande, é real e ao mesmo tempo é seu maior fã! Determinado a provar que sua descoberta vai revolucionar o mundo da ciência, ele faz um trato com a criatura e ambos começam uma jornada inesquecível de situações cômicas e autoconhecimento. Lord Piggot-Dunceby , líder do clube de aventureiros, não deseja que Lionel seja vitorioso em sua grande empreitada e envia Willard Stenk, um assassino e caçador inescrupuloso, no encalço dele.

A animação é dirigida e roterizada por Chris Butler que já fez outras produções similares de stop motion de grande relevância no cinema moderno tais como ParaNorman (2012), Kubo e as cordas Mágicas (2016) e Coraline e o mundo Secreto (2009). Link perdido tem um estilo estético e narrativo que remete a todas essas outras produções anteriores de Chris Butler, o que ficará fácil a identificação de algumas pequenas referências visuais dentro do filme. Apesar dos efeitos visuais estarem mais refinada, isso não faz de Link Perdido algo inovador ou revolucionário tecnicamente como foi Kubo, por exemplo, mas não deixa de ser uma ótima diversão para todas as idades. Aos mais observadores, há pequenas homenagens e referências aos outros filmes feitos pela Laika. Um exemplo disso, é quando Lionel abre a gaveta de seu quarto para procurar um molde de gesso, podemos ver ao lado desse objeto uma pequena escultura da macaca que auxilia Kubo em suas aventuras.

A dublagem brasileira é responsabilidade da mais do que célebre Disney Voice department que conta com talentosos profissionais do setor que dão vida e expressividade ao filme em nosso idioma. No original, o elenco de vozes é primoso contando com Hugh Jackman (Lionel Frost), Zoe Saldana (Adelina Fortnite), Timothy Oliphant (Willard Stenk) Emma Thompson (A anciã), Zach Galifianakis (Link) e Stephen Fry (Lord Piggot-Dunceby).

Uma curiosidade sobre Link Perdido é que este é o primeiro filme da Laika onde todos protagonistas são adultos. Apesar de ter sido uma mudança promissora para o estúdio, que deseja expandir suas produções, o Link Perdido teve um orçamento de 100 milhões de dólares devido a diversos fatores de produção e não tem feito uma boa bilheteria desde que estreiou em abril de 2019 nos Estados Unidos. Para se ter uma base de comparação, os últimos quatro filmes da Laika tinham orçamento estimado em 60 milhões de dolares cada um. Apenas Kubo conseguiu arrecadar uma bilheteria de 118 milhões de dólares e ainda ganhou um oscar de melhor animação. Link Perdido ainda não ultrapassou um total de 40 milhões de dólares.

NOTA: 4,5

CRÍTICA: LINK PERDIDO

Related posts

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.